Caminhos para a Independência do Brasil

A história do Brasil é marcada por diferentes acontecimentos, um deles é a Independência. A gente pensa que D. Pedro I acordou um dia, montou num cavalo, parou à beira do rio Ipiranga, em São Paulo, e gritou: “Independência ou morte!”. Daí, o povo que estava por perto disse: “Independência!”, e então o Brasil deixou de ser colônia de Portugal, tendo Dom Pedro I como seu imperador. Nananinanão! Tem muito mais história por trás dessa memória. Muitos caminhos foram percorridos, e este texto vai seguir um pedacinho dessa trilha. Vem também!

Ilustração Mariana Massarani

Sete de setembro de 1822. Esta data simboliza a Independência do Brasil. Lembra o ato que ficou conhecido como “Grito do Ipiranga”, dia em que D. Pedro I bradou “independência ou morte” aos oficiais e soldados que o acompanhavam em viagem a São Paulo? Mas será que foi só gritar e pronto? Claro que não! De Norte a Sul do Brasil, aconteceram muitas manifestações do desejo de não ser mais uma colônia de Portugal.

Algumas manifestações foram tão marcantes em datas diferentes que, a depender do estado, a Independência é celebrada também em outros dias. Na Bahia, por exemplo, foi mais marcante o dia 2 de julho de 1823. No Pará, o dia 15 de agosto de 1823.

Essa variação de datas revela que não houve passe de mágica, mas sim um grande processo, de acordo com a história regional e local, para que o Brasil construísse sua unidade e se considerasse livre de Portugal.

O Rio em destaque

Muitos acontecimentos históricos se passaram no Rio de Janeiro, porque a cidade era a capital do Brasil. Lugares como o Paço da Cidade, o Paço de São Cristóvão e a Fazenda Real de Santa Cruz foram espaços de encontros políticos, assim como livrarias serviram de base para a distribuição de panfletos e poemas com ideias de independência.

Paulo Knauss
Universidade Federal Fluminense
Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

O voo dos albatrozes

Nossas ações em terra firme podem afetar o destino dessas aves oceânicas

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.