Petrópolis, lugar de história e tecnologia

Conhecida como Cidade Imperial, a região guarda a memória dos tempos do Imperador, mas tem o “pé” no futuro!

Palácio Imperial: a casa de veraneio de D.Pedro II.
Foto Filipo Tardim/Wikipédia

Localizada na região serrana do Rio de Janeiro, Petrópolis (cujo nome significa ‘cidade de Pedro’) era o destino de verão da Família Real. Mas antes do título de cidade imperial – até mesmo antes de considerado uma cidade –, o lugar já demonstrava sua importância histórica: era rota de passagem de viajantes e tropeiros (condutores de tropas de cavalos) no Caminho Novo da Estrada Real, que ligava o Rio de Janeiro a Minas Gerais.

 

Para fugir do calor

Foi o clima de montanha, bem mais fresquinho que o da cidade do Rio de Janeiro, que chamou a atenção de D. Pedro I. Durante o ano de 1822, o imperador realizou uma série de viagens pela região e ficou encantado com a exuberante floresta de Mata Atlântica. Comprou a Fazenda Córrego Seco com o sonho de ali construir o Palácio da Concórdia. Não realizou. Retornou para Portugal, deixando a fazenda como herança para seu filho Pedro, que viria ser o segundo Imperador do Brasil.

Priscila Henriques Lima
Programa de Pós-graduação em História
Universidade do Estado do Rio de Janeiro

 

 

Edição Exclusiva para Assinantes

Para acessar, faça login ou assine a Ciência Hoje das Crianças

admin

CONTEÚDO RELACIONADO

Quem protege os meros?

Peixes que podem ser maiores do que humanos estão ameaçados de extinção.

Mar, misterioso mar!

Cheio de vida e de surpresas, o oceano mexe com a imaginação da gente.